blurred cannabis background2

A história e a bioquímica do canabinol

O que é o CBN?

O canabinol (CBN) é um produto de oxidação não enzimático do tetraidrocanabinol (THC) encontrado em grandes quantidades em cannabis seca e envelhecida.A forma ácida do CBN também é encontrada em grandes quantidades na planta de cannabis mas, após aquecido, este ácido é decarboxilado para CBN.O CBN foi pela primeira vez denominado em 1896 em Cambridge, por Wood e os seus colegas. No entanto, a estrutura correcta foi elucidada apenas em 1940 por Adams e outros.2 Enquanto que apenas sete derivados do tipo canabinol foram incluídos em 2005,a lista de moléculas do tipo CBN tem sido actualizada para contar 11 fitocanabinóides diferentes, todos eles apresentando o anel aromatizado do CBN.4-8 

A concentração do CBN nos produtos de cannabis depende da idade e das condições de armazenamento. É um constituinte relativamente menor em cannabis fresca porque é um produto formado a partir da oxidação do THC. É um agonista parcial de um CB1 e CB2 fracos, com aproximadamente 10% da actividade do THC. Tem potenciais aplicações  terapêuticas em doenças em que os receptores de canabinóides são regulados.9,10 Ao contrário de outros canabinóides, o CBN não provém do canabigerol (CBG), sugerindo talvez uma rota biossintética diferente para a sua formação. Quando o CBN foi descoberto acreditava-se que este era um componente inactivo da cannabis mas tem, de facto, imensas propriedades terapêuticas, maioritariamente devido à sua actividade nos receptores canabinóides (CBs).11 Tem uma afinidade mais baixa para CB1 (Ki 211.2 nM) e CB2 (Ki 126.4 nM),12 e foi julgado inactivo quando testado sozinho em voluntários humanos, mas produziu uma maior sedação quando combinado com THC.13 

what is cbd?

Actividade do receptor do canabinol

Com mencionado acima, o canabinol (CBN ), tal como o tetraidrocanabinol (THC), actua em ambos os receptores CB1 e CB2 mas com uma maior afinidade pelos receptores CB2 do que pelos CB1.12, 14, 15  Embora o canabinol tenha demonstrado uma actividade agonística relativamente a receptores CB1,16 existem, ao invés disso, relatos contraditórios sobre a sua actividade em receptores CB2.

O canabinol tem demonstrado, de facto, propriedades agonísticas directas e inversas, dependendo da concentração usada nos testes.12,17 Estas discrepâncias podem não existir apenas devido às diferenças nas concentrações de canabinol usadas entre os estudos, mas pode também depender do estado conformacional dos receptores nos tecidos. O canabinol também actua em alvos fora do sistema endocanabinóide. É um agonista potente de canais cation TRPA1, bloqueia potencialmente os canais cation TRPM8, e também desensibiliza os canais de cation TRPA1 para activação pelo isotiocianato de alila agonista.18 

cbd oil extract

A actividade biológica do canabinol

Tal como outros fitocanabinóides, o canabinol (CBN) tem demonstrado ter propriedades terapêuticas relevantes relativamente a uma grande quantidade de alvos farmacêuticos. Como o canabigerol, o CBN inibe a proliferação do queratinócito, independentemente dos efeitos do receptor de canabinóide.19 O CBN provou ter efeitos anticonvulsivos,20 anti-inflamatórios e efeitos potentes contra o Aureus Staphylococcus Aureus Resistente à Meticilina (SARM).21 Além disso, o CBN também é um agonista do TRPV2 (um termosensor de elevado limiar), de possível interesse no tratamento de queimaduras.23 Aliás, o CBN estimula o recrutamento de células estaminais mesenquimais quiescentes na medula, sugerindo a promoção da formação óssea, e inibe a proteína de resistência ao cancro da mama, se bem que com uma concentração muito alta.24

laboratory products

As propriedades terapêuticas do canabinol

Devido às actividades biológicas mencionadas acima, o canabinol (CBN) tem mostrado diferentes aplicações terapêuticas no tratamento de um diverso número de condições

Estimulante de apetite

Devido às actividades biológicas mencionadas acima, o canabinol (CBN) tem mostrado diferentes aplicações terapêuticas no tratamento de um diverso número de condições

Antibiótico

As infecções por Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) têm-se tornado num desafio muito sério para os investigadores de todo o mundo, que tentam encontrar uma alternativa prometedora para essas bactérias, que são resistentes a antibióticos. O CBN, juntamente com o canabigerol e o cabanidiol, provaram ser eficientes contra as infecções resistentes ao antibiótico MRSA, sugerindo uma possível implementação no tratamento destas infecções perigosas.22

Medicação potencial para pacientes com Esclerose Lateral Amiostrófica

Num estudo efectuado em 2005, o CBN provou conseguir atrasar o início de sintomas em ratos, que foram geneticamente criados para ter uma versão roedora da Doença de Lou Gehrig. A Doença de Lou Gehrig é também conhecida como Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Estes resultados indicam que o CBN poderá ser eficaz a aliviar os sintomas em pacientes com doenças neuronais e motoras degenerativas.27

Analgésico

De acordo com um estudo publicado em 2002, o CBN tem fortes efeitos analgésicos. É interessante notar que o CBN e o THC eram os únicos canabinóides que aliviavam a dor através da libertação de endorfinas e ao relaxarem vasos sanguíneos tensos, o que sugere uma ligação entre isso e a actividade de receptor do CBN.28

Anti-asmático

Uma pesquisa de 2003 descobriu que o CBN conseguia pôr fim à asma relacionada com alergias em ratos, talvez por causa das suas propriedades altamente anti-inflamatórias. O estudo sugere os canabinóides para alcançar este objectivo e, deste modo, aumentar o sistema imunológico dos roedores e atenuar a inflamação associada a um ataque de asma.29

Sedativo

O CBN tem um efeito de acção central como o do tetraidrocanabinol mas bastante menos potente. Contudo, estudos sugerem que o CBN poderá ser o canabinóide mais sedativo de todos, representando uma ferramenta promissora para o tratamento de ansiedade e condições relacionadas com stress.30,31

Medicação potencial para o Glaucoma

Em conjunto com o tetraidrocanabinol, o CBN provou ser bem sucedido na redução da pressão ocular, que produz cegueira em pacientes com glaucoma, talvez por relaxar o sistema circulatório periférico e por aumentar o ritmo cardíaco nos indivíduos.32 

cbd oil in nature

As sinergias com terpenóides naturais

A actividade do canabinol tem demonstrado ser potenciada pela administração simultânea de terpenóides naturais. Por exemplo, a sua actividade antibacteriana parece sinergizar com o Pineno, um terpenóide encontrado na resina do pinheiro, enquanto que as suas propriedades sedativas são potenciadas pelos terpenóides Nerolidol e Mirceno. O Nerolidol é um terpenóide comum encontrado não só na cannabis mas também em muitas outras plantas como a erva-cidreira, o gengibre, a melaleuca, a lavanda ou as flores de jasmim.  O Mirceno, por outro lado, é um componente natural da cannabis, do louro, do cardamomo, da salsa, do lúpulo e de alguns tipos de tomilho. Ainda para mais, a actividade anticancro do CBN parece ser reforçada pela co-administração de Limoneno, um terpenóide encontrado nos limões.33

Bibliografia

  1. Harvey, D. J. Journal of Ethnopharmacology,. J. Ethnopharmacol. 28, 117–128 (1990).
  2. Adams, R., Baker, B. R. & Wearn, R. B. Structure of Cannabinol. III. Synthesis of Cannabinol, 1-Hydroxy-3-n-amyl-6,6,9-trimethyl-6-dibenzopyran. JACS 62, 2204–2207 (1940).
  3. ElSohly, M. A. & Slade, D. Chemical constituents of marijuana: The complex mixture of natural cannabinoids. Life Sci. 78, 539–548 (2005).
  4. Elsohly, M. A., Radwan, M. M., Gul, W., Chandra, S. & Galal, A. Phytocannabinoids. 103, (2017).
  5. Ahmed, S. A. et al. Cannabinoid Ester Constituents from High-Potency Cannabis sativa. J. Nat. Prod. 71, 536–542 (2008).
  6. Zulfiqar, F. et al. Cannabisol, a novel delta- 9-THC dimer possessing a unique methylene bridge, isolated from Cannabis sativa. Tetrahedron Lett. 53, 3560–3562 (2012).
  7. Radwan, M. M. et al. Isolation and Pharmacological Evaluation of Minor Cannabinoids from High-Potency Cannabis sativa. J. Nat. Prod. 78, 1271–1276 (2015).
  8. Ahmed, S. A. et al. Minor oxygenated cannabinoids from high potency Cannabis sativa L. Phytochemistry 117, 194–199 (2015).
  9. Pertwee, R. G. The diverse CB1 and CB2 receptor pharmacology of three plant cannabinoids: delta9-tetrahydrocannabinol, cannabidiol and delta9-tetrahydrocannabivarin. Br. J. Pharmacol. 153, 199–215 (2008).
  10. Izzo, A. A., Borrelli, F., Capasso, R., Di Marzo, V. & Mechoulam, R. Non-psychotropic plant cannabinoids: new therapeutic opportunities from an ancient herb. Trends Pharmacol. Sci. 30, 515–527 (2009).
  11. Loewe, S. Marjiuana Activity of Cannabinol. Science (80-. ). 102, 615–616 (1945).
  12. Rhee, M.-H. et al. Cannabinol Derivatives : Binding to Cannabinoid Receptors and Inhibition of Adenylylcyclase. J . Med. Chem. 40, 3228–3233 (1997).
  13. Karniol, I. G., Shirakawa, I., Takahashi, R. N., Knobel, E. . & Musty, R. E. ·. Effects of delta-9-Tetrahydrocannabinol and Cannabinol in Man. Pharmacology 13, 502–512 (1975).
  14. Showalter, V. M., Compton, D. R., Martin, B. R. & Abood, M. E. Evaluation of binding in a transfected cell line expressing a peripheral cannabinoid receptor (CB2): identification of cannabinoid receptor subtype selective ligands. J. Pharmacol. Exp. Ther. 278, 989–999 (1996).
  15. Felder, C. C. et al. Comparison of the pharmacology and signal transduction of the human cannabinoid CB1 and CB2 receptors. Mol. Pharmacol. 48, 443–450 (1995).
  16. Pertwee, R. Pharmacology of cannabinoid receptor ligands. Curr Med Chem 6, 635–637 (1999).
  17. MacLennan, S. J., Reynen, P. H., Kwan, J. & Bonhaus, D. W. Evidence for inverse agonism of SR141716A at human recombinant cannabinoid CB1 and CB2 receptors. Br. J. Pharmacol. 124, 619–22 (1998).
  18. De Petrocellis, L. et al. Effects of cannabinoids and cannabinoid-enriched Cannabis extracts on TRP channels and endocannabinoid metabolic enzymes. Br. J. Pharmacol. 163, 1479–1494 (2011).
  19. Wilkinson, J. D. & Williamson, E. M. Cannabinoids inhibit human keratinocyte proliferation through a non-CB1/CB2 mechanism and have a potential therapeutic value in the treatment of psoriasis. J.
  20. Dermatol. Sci. 45, 87–92 (2007).
  21. Siemens, A. J. & Turner, C. E. Marijuana research findings: 1980. NIDA Res. Monogr. Ser. 31 31, 167–198 (1980).
  22. Kargmanss, S., Prasitn, P. & Evans, J. F. Translocation of HL-60 Cell 5-Lipoxygenase. J. Biol. Chem. 266, 23745–23752 (1991).
  23. Appendino, G. et al. Antibacterial Cannabinoids from Cannabis sativa : A Structure - Activity Study. J. Nat. Prod. 71, 1427–1430 (2008).
  24. Qin, N. et al. TRPV2 is activated by cannabidiol and mediates CGRP release in cultured rat dorsal root ganglion neurons. J. Neurosci. 28, 6231–6238 (2008).
  25. Scutt, A. & Williamson, E. M. Cannabinoids stimulate fibroblastic colony formation by bone marrow cells indirectly via CB2 receptors. Calcif. Tissue Int. 80, 50–59 (2007).
  26. Lee, S. Y., Oh, S. M. & Chung, K. H. Estrogenic effects of marijuana smoke condensate and cannabinoid compounds. Toxicol. Appl. Pharmacol. 214, 270–278 (2006).
  27. Osei-Hyiaman, D. Endocannabinoid system in cancer cachexia. Curr. Opin. Clin. Nutr. Metab. Care 10, 443–448 (2007).
  28. Weydt, P. et al. Cannabinol delays symptom onset in SOD1 (G93A) transgenic mice without affecting survival. Amyotroph. Lateral Scler. Other Motor Neuron Disord. 6, 182–184 (2005).
  29. Zygmunt, P. M., Andersson, D. A. & Hogestatt, E. D. Delta 9-Tetrahydrocannabinol and Cannabinol Activate Capsaicin-Sensitive Sensory Nerves via a CB1 and CB2 Cannabinoid Receptor-Independent
  30. Mechanism. J. Neurosci. 22, 4720–4727 (2002).
  31. Jan, T. R., Farraj, A. K., Harkema, J. R. & Kaminski, N. E. Attenuation of the ovalbumin-induced allergic airway response by cannabinoid treatment in A/J mice. Toxicol. Appl. Pharmacol. 188, 24–35 (2003).
  32. Kalant, H. Smoked marijuana as medicine: not much future. Clin Pharmacol Ther. 83, 517–519 (2008).
  33. Gregg, J. M., Campbell, R. L., Levin, K. J., Ghia, J. & Elliott, R. A. Cardiovascular effects of cannabinol during oral surgery. Anesth. Analg. 55, 203–213 (1976).
  34. ELSOHLY, HARLAND, E., MURPHY, J. C., WIRTH, P. & WALLER, C. W. Cannabinoids in Glaucoma : A PrimaryScreening Procedure. Cournal Clin. Pharmacol. 21, 472S–478S (1981).
  35. Russo, E. B. Taming THC: Potential cannabis synergy and phytocannabinoid-terpenoid entourage effects. Br. J. Pharmacol. 163, 1344–1364 (2011).

Our website uses cookies to show you relevant content and features for social media and to improve our traffic. The information about your activity is also shared with our collaborators.

X